segunda-feira, 20 de setembro de 2010

.this is not a love song.


Numa noite de sol, pontos amarelos saltam do asfalto e infinitizam meu olhar. Eu, radiante, amarela e anoitecida. Com a pele desse asfalto na minha, descanço em paz. Deito com o rumor dessa imagem e uma canção a ecoar. This is not a love song.
                                            


sexta-feira, 17 de setembro de 2010

.das coisas que escuto por aí. ( I )

desventura               
16hs
                         tarde de sábado
saiu para jogar bola
  entrou no carro
      abaixou para amarrar o cadarço

_________

  perdeu os dentes


                de um dia de sol                              

http://www.angiehiesl.de/eng/index.php

terça-feira, 14 de setembro de 2010

.a vida a escorrer e correr.

                                
                                              
b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s n u v e n s n u v e n s b r a n c a s b r a n c a s
                                            

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

estética relacional

                                                                                                   maurizio cattelan

Você entrou. Assim começa um texto de Foucault chamado a força de fugir. Fiquei pensando sobre isso.... as vezes para traçar fugas é necessário estar dentro, saber-se dentro. Assim segue também algumas práticas artísticas contemporâneas, instalações e intervenções que se impõem. Quando se vê, estamos dentro. Já está dentro nós. Dentro de quê? O que pode esse dentro? Como instaurar o fora no dentro, lançar o dentro para fora? Dentro do fora talvez seja adequado. Falando da vida e pela vida, podemos pensar o dentro como nosso próprio cotidiano, no alcance de nossas mãos. O cotidiano como campo de explorações diversas. Nicolas Bourriaud lança o termo "estética relacional" e afirma que as práticas artísticas contemporâneas consideram o intercâmbio humano como objeto estético em si, uma estética relacional na qual a arte somente ganha vida e forma na medida em que dispara interações e processos sociais. Produção de espaços-tempos relacionais; socialidades alternativas; experiências inter-humanas que tentam se libertar. No modo como se representa-apresenta a realidade, as expressões artísticas se valem da distância que demarca a coexistência de si mesma e da realidade para pulverizar contornos e formas já esperadas. Cria um vácuo de estranhamento, valendo-se inclusive do que nos é familiar, fazendo ruir heurísticas e atalhos cognitivos já convencionais. Num deslizamento das margens que demarcam o dentro/fora, bonito/feio, bom/mal, etc., a arte alcança um deslocamento de percepções e afecções habituais, destituindo um território acostumado e inaugurando um espaço a ser criado. Assim caminha o L.I.X.O in-process. Se valer do inútil, do descartável e do invisível como um dispositivo de proliferação de relações que escapam ao convencional mesmo que dela se valham. Uma proposta simples que visa provocar relações singulares com o supostamente desnecessário, instaura o fora no dentro. Fica a dica de dois livros publicados por Bourriaud pela Martins Fontes: "Estética Relacional" e "Pós-produção: como a arte reprograma o mundo contemporâneo". Segue um vídeo-documentário no qual Ben Lewis entrevista alguns artistas plásticos e também o pŕoprio Bourriaud  vídeo-estética relacional




sexta-feira, 3 de setembro de 2010

-caramujo é uma solidão que anda na parede- (manoel de barros)

                                                                                (Vídeo-Roberta Stubs; Música-Drum Mode, Gray)

Tempo de passagem pela lente e pelo olhar. Tempo desnecessário ao próprio tempo deste que olha e registra. Tempo lento que escorre pelas rugas da parede úmida. Rastro que imprime o instante e se esvai.
Ocorreu um erro neste gadget