terça-feira, 30 de agosto de 2011

-engajamento político afetivo-

Manifesto aqui o posicionamento do L.I.X.O in-process diante a ocupação da reitoria por parte dos estudantes da Universidade Estadual de Maringá. 

Dentre vários aspectos deste acontecimento - organizado, inteligente, bem articulado e zeloso com o patrimônio da Universidade - destaco a alegria e a satisfação estampada no rosto de todos; sorrisos e gritos que vibram uma força contrária a tão presente apatia que se instaura em nosso cotidiano. Foi essa alegria que registrei hoje no manifesto organizado pelos estudantes. Um engajamento afetivo político que revela uma potente força desejante de ação e transformação. Ressalto a questão da afetividade e a considero extremamente política, pois possibilitou que inúmeros estudantes, alguns técnicos e professores fossem tocados pela vibração de um acontecimento político e percebessem que a causa maior é, de algum modo, a própria vida. Além e aquêm de preconcetos e esteriótipos que se tem, não somente contra o movimento estudantil, mas quanto a qualquer forma oposição e reinvindicação, o que se faz claro e aparente é que o engajamento é sempre pela vida, e é por ela que não devemos seguir admitindo.

Segue aqui o link para essas e outras fotos: 
https://picasaweb.google.com/117710173999242650792/OcupacaoReitoria?authuser=0&authkey=Gv1sRgCNOMrL3HsZyksQE&feat=directlink





















sábado, 27 de agosto de 2011

-in-process: cadê o lixo do L.I.X.O-


Devo admitir uma coisa, o que menos tem aqui neste blog é lixo, certo? 
Segue aqui uns pensamentos sobro o L.I.X.O in-process que pensam em  mim faz tempo. 

O L.I.X.O aqui é uma provocação crítica à banalização dos vínculos que estabelecemos no e com o mundo, por isso nomeá-lo como sigla, remetendo tanto ao lixo sem alegoria ou figuração, sobras de uma sociedade saturada de objetos lançadas ao abandono, quanto ao lixo como sutilezas expressivas marginalizadas pela pressa e esquecimento. (percebam, que isso está escrito logo ali ao lado, na descrição do projeto inicial)

Um aspecto implicacional, diz do lixo ser produzido pelo humano e estar em todos os lugares, elemento comum em todas as esferas de nosso dia a dia. Remete-nos, pois: ao cuidado-descúido com o que é nosso; responsabilidade-irresponsabilidade com o que produzimos, consumimos e descartamos.   

O termo in-process, por sua vez, refere-se a processualidade da organicidade de nossas relações com o mundo, aos valores e modos de vida profundamente arraigados em nossos hábitos e comportamentos. 

L.I.X.O  in-process, significa.... portanto, o processamento do que há de mais comum e presente em nosso dia a dia, colocando em questão e provocando a re-significação de nossas relações diárias com o mais simples, com o quase imperceptível, com o cotidiano no qual vivemos.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

-pecado original-



Nas típicas paredes azul-espelhadas da Igreja Universal o reflexo de cores que desfilam nas ruas pela diversidade. Aqui, o canônico pecado original é abalado pelo corpo QUEER de uma travesti, corpo e desejos híbridos que escorregam e não se deixam capturar por classificações univerais. E por acaso, o que seria um pecado original? Será que é bom e faz gozar?

sábado, 13 de agosto de 2011

-frações de vento para o tempo-



Foi pensando sobre a relação espaço-temporal que criei esse vídeo na intenção de fazer viver uma uma idéia que Deleuze lança ao falar sobre o cinema:

Se antes o tempo era subordinado ao movimento agora é o movimento que subordina-se ao tempo.

Mas, o que swingnifica isso?
Essa inversão espaço-temporal inaugura caminho expressivo para dizer do tempo vivido, ou tempo fenomenológico. O que se abre é uma imensa possibilidade de vivências espaço-temporais que dizem das experiencias singulares de cada sujeito em relação ao tempo. No cinema, o que vemos é uma série de filmes sem demarcações exatas de começo, meio e fim. Narrativas que exploram o tempo como duração, deixando de obedecer ao tempo Cronos (esse tempo que diz que um dia tem 24 horas), se aproximando mais do tempo Aion (tempo experimentado por cada sujeito na duração de cada instante).
O instante, o encontro, a intensidade, a eternidade de uma fração de segundo, insurgem nesse tempo duração: plano de imanência temporal onde cada um e cada qual, num tempo comum, experimentam um tempo próprio.

sábado, 6 de agosto de 2011

-ênfases, ínfimas para o olho-

                
 ME DISPO DE ALGUMAS ÊNFASES COMO QUEM ABRE O PEITO PARA O DIA


Inspirei essa frase bem alto 
- todos os dias - 
gritando ela para o sol.


Ai comecei a enfatizar outras coisas.
sola de chão, raio de luz, 
ruído de bicho, 
vento que sopra forte e vento que sopra lento.


Agora, ando por aí assim, 
espaçando cada passo meu 
com essa abundância de coisa sussegando meu desassossego.



-as vezes sigo de olho fechado observando tudo isso-

Ocorreu um erro neste gadget